Após ataque, EUA exaltam laços com Paquistão

Os EUA exaltaram a "importância" de sua relação com o Paquistão, após o país asiático acusar a Otan (aliança militar ocidental) por um ataque aéreo que deixou ao menos 25 mortos em um posto militar paquistanês neste sábado.

Em comunicado conjunto, o secretário da Defesa, Leon Panetta, e a secretária de Estado, Hillary Clinton, expressaram condolências pelas mortes e prometeram manter a proximidade com o Paquistão durante "este período desafiador", além de pedirem que a Otan investigue o incidente.

Isso ocorre depois de o Paquistão anunciar, no sábado, que, por conta do ataque, planeja rever os laços diplomáticos e os programas de cooperação na área militar e de inteligência com os Estados Unidos e a Otan.

O governo também pediu que os Estados Unidos desocupem em 15 dias a base militar de Shamsi, na província do Baluchistão.

Apesar de ser tradicionalmente alvo de críticas dos EUA e de ser apontado como conivente com o Talebã, o Paquistão é considerado um aliado vital para os americanos na Guerra do Afeganistão, por manter uma extensa fronteira com o país.