Fundo de resgate do euro é elevado, mas deve ficar abaixo da meta

Ministros das Finanças dos países da zona do euro chegaram a um acordo para aumentar o fundo de resgate financeiro disponível para os países-membros afetados pela crise da dívida soberana que se alastra pelo continente.

Após uma reunião em Bruxelas, o primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, disse que o aumento do fundo, hoje em 440 bilhões de euros, será "substancial".

Mas espera-se que a meta de chegar a um trilhão de euros - suficiente para resgatar países como a Itália ou a Espanha, se for necessário - não seja alcançada.

O fundo é visto como uma ferramenta crucial para conter a crise da dívida que se abate sobre os países que utilizam a moeda comum.

Entre outras medidas tomadas pelos ministros, estão proteções a detentores de títulos soberanos denominados em euro e possivelmente mais investimento do Fundo Monetário Internacional (FMI).