Relatório saudita diz que deixar mulheres dirigirem significará 'perda da virgindade'

Um relatório feito na Arábia Saudita diz que dar às mulheres o direito de dirigir significará a "perda da virgindade" em todo o país.

O documento foi preparado para a assembléia legislativa do país, o Conselho Shura, por um conhecido acadêmico conservador local.

O autor concluiu que deixar que as mulheres dirijam aumentará a prostituição, a pornografia, a homossexualidade e o divórcio.

Não existe na Arábia Saudita uma lei que proíba formalmente as mulheres de dirigirem, mas elas podem ser presas caso o façam. Grupos de mulheres tem feito diversas campanhas contra a proibição.

Além das dificuldades práticas criadas pela norma implícita, elas dizem que não há lógica em impedi-las de dirigir para mantê-las longe dos homens, já que tem contato diário com seus motoristas.

Uma mulher saudita envolvida nos pedidos pelo fim da proibição disse à BBC que o relatório era "completamente louco". Segundo ela, o chefe do Shura disse que ouvirá as opiniões de mulheres motoristas.