Egito enfrenta mais violência entre policiais e manifestantes

Forças de segurança egípcias atiraram para alto e avançaram na direção de centenas de manifestantes em mais uma tentativa de acabar com os protestos contra o governo militar na praça Tahrir, no centro do Cairo.

Policiais usaram gás lacrimogêneo e cacetetes contra manifestantes que fugiam pelas ruas próximas à praça Tahrir. Os Estados Unidos descreveram as cenas como chocantes e também criticaram os militares egípcios após um vídeo mostrar soldados espancando uma mulher e rasgando suas roupas.

Ao menos 13 pessoas morreram desde que a última onda de confrontos começou na sexta-feira.

Um general egípcio aposentado, que ainda atua como consultor militar, causou revolta no país ao dizer que alguns manifestantes merecem ser jogados nos fornos de Hitler.

Um dos principais nomes cotados para a Presidência do país, Mohamed ElBaradei, disse que os comentários revelam uma mente perturbada e criminosa.