Turquia reage a lei francesa que torna crime negação de genocídio armênio

O governo turco anunciou nesta quinta-feira medidas contra a França, depois de parlamentares da Câmara Baixa francesa terem aprovado uma lei que torna crime a negação de que o extermínio em massa de armênios em 1915, por turcos otomanos, configurou-se um genocídio.

Ancara convocou seu embaixador na França e congelará visitas políticas, projetos e exercícios militares conjuntos com a França, informou o premiê turco, Recep Tayyip Erdogan.

Os armênios alegam que até 1,5 milhão de seus antepassados foram mortos por turcos otomanos. A Turquia, por sua vez, diz que o total de mortos é de 500 mil e que o episódio não configura um genocídio.

Para vigorar, a lei francesa - que prevê prisão e multa de 45 mil euros para quem negar publicamente o genocídio armênio - ainda depende da aprovação do Senado, mas só deve tramitar na Casa no ano que vem.

O chanceler francês, Alain Juppé, se opôs publicamente à lei.