Radicais islâmicos têm apoio dentro do poder nigeriano, diz presidente

O grupo radical islâmico Boko Haram já tem simpatizantes e membros dentro do governo, do Exército e do Judiciário da Nigéria, alertou neste domingo o próprio presidente do país, Goodluck Jonathan.

O Boko Haram - cujo nome significa "a educação ocidental é pecaminosa" - é apontado como o responsável por atentados que deixaram mais de 80 mortos nas últimas semanas.

O grupo tem como objetivo implementar a sharia (lei islâmica) na Nigéria e acredita-se que tenha laços com a Al-Qaeda.

Em discurso no Centro Nacional Cristão na cidade de Abuja, Goodluck Jonathan disse que a atual situação de segurança da Nigéria é mais complexa do que era nos anos 1960, quando o país vivia uma guerra civil que deixou mais de 1 milhão de mortos.

No sábado, o líder cristão nigeriano Ayo Oritsejafor advertiu que a Nigéria pode estar caminhando em direção a uma nova guerra civil.