Robert Zoellick deixará presidência do Banco Mundial em junho

O presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, anunciou nesta quarta-feira que deixará o cargo em junho, ao fim de seu mandato de cinco anos.

O anúncio reforça especulações de que, pela primeira vez, a organização não será liderada por um americano, podendo, inclusive, vir a ser presidida pelo representante de algum país emergente.

Desde a fundação da organização, no pós-guerra, o Banco Mundial é sempre presidido por um americano enquanto o FMI (Fundo Monetário Internacional) é liderado por um europeu.

O governo dos Estados Unidos já deu sinais de que indicará um candidato nas próximas semanas e não deu mostras que poderá respaldar um representante de outro país.