Militares rebelados prendem premiê e presidente da Guiné-Bissau

Militares rebeldes que iniciaram um golpe de Estado na Guiné -Bissau na quinta-feira anunciaram nesta sexta-feira a prisão do premiê, Carlos Gomes Júnior, e do presidente interino, Raimundo Pereira.

Gomes era o candidato favorito nas eleições gerais que deveriam acontecer em Guiné-Bissau daqui a duas semanas. Ele foi preso após ter sua casa atingida por diversas granadas.

Um comunicado divulgado pelos militares golpistas antes das prisões, na quinta-feira, afirmava que o grupo não pretendia tomar o poder, mas evitar a entrada de tropas angolanas no país devido a um suposto acordo secreto firmado pelo governo.

Porém, segundo analistas, os militares podem ter derrubado Gomes porque ele pretendia diminuir os gastos com as Forças Armadas do país.

A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) convocou uma reunião emergencial nesta sexta-feira em Lisboa para solicitar que a situação em Guiné-Bissau seja analisada pelo Conselho de Segurança da ONU. O Brasil enviou representante ao encontro.