Candidato barrado em eleição no Egito diz que democracia está em perigo

O principal candidato presidencial da Irmandade Muçulmana à Presidência do Egito, Khairet al-Shater, que acaba de ser desqualificado e impedido de concorrer, disse nesta quarta-feira que o progresso rumo à democracia no país está em perigo.

Em entrevista à BBC, Shater disse que a Irmandade Muçulmana vai aumentar a pressão dentro e fora do Parlamento para assegurar que a transição para a democracia siga adiante e evitar tentativas de fraudar as eleições.

A Irmandade Muçulmana já declarou apoio a Mohamed al-Mursi, mas ele não é considerado um candidato tão forte como Shater.

A comissão eleitoral egípcia confirmou na terça-feira a desqualificação de dez candidatos presidenciais, inclusive favoritos. A lista final dos candidatos será publicada no próximo dia 26, quando começará oficialmente a campanha eleitoral.

As eleições estão marcadas para os dias 23 e 24 de maio e são consideradas um momento chave na transição política do Egito, após a queda do presidente Hosni Mubarak, no ano passado, após um levante popular.