Primeiro-ministro paquistanês é condenado, mas fica livre

A Suprema Corte do Paquistão declarou o primeiro-ministro Yousuf Raza Gilani culpado por desobedecer ordens da Justiça.

No entanto, a corte deu a Gilani apenas uma sentença simbólica e ele não vai para a prisão.

Gilani negou que ele tenha sido negligente ao não reabrir investigações em casos de corrupção envolvendo o presidente Asif Ali Zardari, conforme havia ordenado o tribunal.

O primeiro-ministro afirmou que o presidente, que nega acusações de corrupção, tem imunidade por ser chefe de estado e não poderia ser processado.

Asif Ali Zardari foi acusado de enviar dinheiro para uma conta na Suíça. A defesa de Gilani alega que a Justiça suíça negou o mérito da questão, e portanto não havia razões para seguir com as investigações sobre as práticas do presidente, que alega motivações políticas para as acusações de corrupção.

O processo de três meses envolvendo Gilani foi encerrado na terça-feira, mas ainda não se sabe sob que artigo da Constituição o primeiro-ministro foi condenado, e se poderá ou não permanecer no cargo.