Em meio a denúncias de abuso, julgamento de ex-premiê da Ucrânia é adiado

Dias após denúncias de abusos e espancamentos, o julgamento da ex-primeira-ministra da Ucrânia, Yulia Tymoshenko, foi adiado para o fim de maio.

O juiz responsável pelo caso disse que as audiências não podem ser mantidas porque a ré se recusa a participar e diz estar sendo alvo de violência.

A ex-premiê, que já cumpre pena de sete anos, teria sido espancada na cadeia. A denúncia foi feita nesta quarta-feira pela filha dela, Eugenia.

Tymoshenko foi condenada no ano passado sob acusação de ter prejudicado a Ucrânia ao negociar o preço do gás natural vendido pelo país à Rússia em 2009.

Autoridades penitenciárias do país afirmaram que a levaram para o hospital contra a sua vontade, mas negaram tê-la espancado.

Para as potências ocidentais o caso tem motivações políticas. Caso seja condenada pela segunda vez, Tymoshenko poderia ser sentenciada a mais 12 anos de prisão.