Ativista do Bahrein em greve de fome ganhará novo julgamento

O ativista de oposição do Bahrein, Abdulhadi al-Khawaja, que está em greve de fome, terá um novo julgamento, segundo decisão de um tribunal do país.

A greve de fome do militante já dura quase três meses. E, segundo médicos, sua saúde está fragilizada e ele enfrenta risco de morrer.

Al-Khawaja está preso juntamente com outras 20 pessoas que são acusadas de ter comandado uma insurreição contra o regime no ano passado. O grupo reivindicava que a monarquia do Golfo fosse transformada em uma república.

Eles haviam sido julgados por um tribunal militar fechado, mas a Justiça estipulou que eles voltem a ser julgados em uma corte civil.

O Bahrein tem sido abalado por uma série de protestos por parte de militantes que reivindicam a adoção de reformas democráticas. Mas o regime monárquico do país, que é um aliado próximo da Arábia Saudita vem se mostrando irredutível em introduzir reformas.

Tropas sauditas auxiliaram o Bahrein a conter os protestos no país no ano passado, uma vez que o governo saudita teme que as manifestações no país aliado possam ser manipuladas pelo Irã.

A família real do Bahrein segue a corrente sunita do islamismo, ao passo que a grande maioria da população do país é muçulmana xiita, a mesma tendência majoritária no Irã.