Para arcebispo, vazamento de documentos sigilosos foi ataque pessoal ao papa

O vice-secretário de Estado do Vaticano, arcebispo Angelo Becciu, afirmou nesta terça-feira que o vazamento de documentos confidenciais da Igreja Católica nas últimas semanas foi parte do que chamou de um "ataque pessoal" ao papa Bento 16.

No último sábado, Paolo Gabriele, que era mordomo do pontífice desde 2006, foi acusado formalmente depois de ter sido detido por investigadores do Vaticano com papéis sigilosos em seu apartamento.

Autoridades afirmaram que uma comissão especial de cardeais está investigando o vazamento e procurando evidências que possam ligar o caso com outras pessoas.

Os documentos faziam referência à corrupção nos negócios do Vaticano com empresas italianas e à disputa de poder na cúpula da Igreja Católica, acusações que foram prontamente negadas por oficiais locais.