Porta-voz do Exército rebelde nega ultimato na Síria

O coronel Mustafa Abdelkarim, porta-voz do Exercíto pela Libertação Síria, negou nesta quinta-feira, em entrevista ao serviço de rádio em árabe da BBC, que os rebeldes tenham dado um ultimato ao governo do presidente Bashar al-Assad para retirar as tropas das ruas e cumprir o plano de paz assinado com a ONU.

Ele disse que o anúncio de ultimato, que ameaçava romper o plano de paz, que inclui um cessar-fogo, caso o regime não retirasse suas tropas, foi feito por oficiais rebeldes em campo sem consultar sua liderança.

Abdelkarim disse ainda que o plano de paz está mantido até que o Conselho Nacional Sírio, organização que responde pelos rebeldes, se pronuncie.

Ainda na quarta-feira o Exército pela Libertação da deu ao regime um prazo de 48 horas para cumprir o plano de cessar-fogo da ONU.

O coronel da FSA Qassim Saadeddine disse que se não houver resposta até a hora do almoço de sexta-feira, o FSA não se consideraria "mais vinculado ao plano de paz".