ONU quer investigação sobre massacre na Síria

Manifestantes protestam em Idlib. Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Manifestantes protestam em Idlib contra o goveno de Bashar al-Assad

Em uma de suas resoluções mais fortes contra a Síria, o Conselho de Direitos Humanos da ONU autorizou uma investigação sobre os assassinatos em massa ocorridos em Houla (Kafr Laha), na semana passada - quando 108 pessoas morreram.

Segundo o correspondente da BBC em Genebra, os termos da resolução abrem caminho para que envolvidos com a matança sejam responsabilizados individualmente por crimes de guerra.

Segundo moradores da região, o Exército sírio bombardeou o vilarejo no último sábado após um protesto contrário ao regime. Em seguida, uma milícia teria atacado a cidade, promovendo assassinatos.

Opositores de Bashar al-Assad também afirmaram que outra matança ocorreu na quinta-feira em al-Qusayr. Ao menos 13 supostos trabalhadores de uma fábrica teriam sido obrigados a entrar em um ônibus e levados para outra vila. Lá teriam sido mortos.

O secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que a escalada da violência no país mostra a necessidade urgente de medidas mais urgentes da comunidade internacional.

A resolução do órgão de direitos humanos da ONU foi aprovada com 41 votos a favor, três contra (Rússia, China e Cuba) e duas abstenções.

A resolução determina a instalação de uma investigação imediata, internacional, transparante e independente.

O governo da Síria afirmou que os assassinatos de Houla são de responsabilidade de grupos rebeldes cujo objetivo seria desencadear uma internvenção internacional no país.