Número de refugiados atinge recorde histórico, diz Acnur

O número de deslocamentos forçados entre fronteiras internacionais alcançou no ano passado a marca de 800 mil, o maior patamar desde 2000.

Segundo o relatório Tendências Globais 2011, divulgado nesta segunda-feira pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), 4,3 milhões de pessoas foram forçadas a se deslocar desde o fim de 2010, sendo que 800 mil se tornaram refugiadas.

O documento assinala que o deslocamento forçado ocorreu em meio a grandes crises humanitárias iniciadas na Costa do Marfim e seguidas pela Líbia, Somália e Sudão, entre outros países.

"O ano de 2011 vivenciou o sofrimento humano em uma escala épica. O custo pessoal foi enorme para todos aqueles que tiveram suas vidas drasticamente afetadas em tão curto espaço de tempo", disse o Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres.

Em todo o mundo, 42,5 milhões de indivíduos terminaram o ano de 2011 em uma situação de refúgio, seja como refugiados (15,42 milhões), deslocados internos (26,4 milhões) ou solicitantes de refúgio (895 mil).

Apesar do grande número de novos refugiados, o número total de deslocados em 2011 ficou abaixo dos 43,7 milhões registrados ao final de 2010.

Segundo a Acnur, essa diferença se deve, principalmente, ao grande número de deslocados internos que puderam voltar para suas casas no ano passado.

Ao todo, 3,2 milhões de pessoas retornaram às suas cidades de origem, o que representou o maior retorno de deslocados internos em uma década.