Suprema Corte do Paraguai diz que impeachment de Lugo é constitucional

A Suprema Corte do Paraguai rejeitou nesta segunda-feira o recurso do ex-presidente Fernando Lugo contra o processo de impeachment que culminou em sua destituição na última sexta-feira.

A decisão ocorre em meio à formação de um gabinete de "coalizão democrática" pelo ex-mandatário paraguaio.

Ao lado de aliados e ex-ministros, Lugo criou uma espécie de governo paralelo, segundo ele para "monitorar as ações do (recém-empossado) presidente (Federico) Franco", e voltou a falar como presidente do Paraguai.

Em pronunciamento na sede de seu partido, o Partido País Solidário (PPS), ele acrescentou que não pretende servir de mediador para aplacar a crise política que tomou conta do Paraguai.

Lugo também falou sobre a possibilidade de adiantar as eleições presidenciais previstas para abril de 2013.

A decisão do ex-presidente de criar um gabinete de coalizão foi criticada pelo recém-empossado governo do Paraguai.

O novo ministro de Relações Exteriores do país, José Félix Estigarribia, chamou de "piada" a postura de Lugo.

"Lugo é um ex-presidente e não tem função administrativa. Isto é uma piada. Se ele falar como presidente, vai sofrer sanções da lei paraguaia", disse o atual chanceler.