Alemanha reformará serviço de inteligência após escândalo neonazista

As autoridades alemãs irão reformar profundamente seus serviços de inteligência após o escândalo da destruição de documentos secretos relacionados a um grupo neonazista acusado da morte de 10 pessoas.

O anúncio foi feito pelo ministro do Interior alemão, Hans-Peter Friedrich, em uma entrevista ao jornal Bild am Sonntag.

Ele explicou que será necessário realizar mudanças no Escritório Federal para a Proteção da Constituição e em todas as suas filiais regionais.

Os serviços de inteligência alemães não só não alertaram para a existência da Clandestinidade Nacional-Socialista (NSU), uma célula neonazista que atuou entre 1998 e 2011, como também destruíram atas que documentavam a existência do grupo.

O escândalo provocou a demissão do presidente do serviço de espionagem, Heinz Fromm, e a criação de uma comissão de inquérito.