Exército do Líbano emite alerta e pede ‘contenção política’ após atentado

Atualizado em  22 de outubro, 2012 - 10:03 (Brasília) 12:03 GMT

O Exército do Líbano emitiu um alerta em meio à onda de violência que seguiu a morte do chefe da inteligência do país em um atentado na sexta-feira e exortou que se exercite "contenção política" neste "momento crítico" para o país.

Os militares mostraram preocupação após uma série de protestos que tomou as ruas de Beirute e outras cidades após o funeral de Wissam al-Hassan.

Em Trípoli, no norte, ao menos três pessoas morreram.

Os partidos de oposição no país culpam o regime de Bashar al-Assad, na Síria, pelo atentado e exigem a renúncia do primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, acusado de manter elos com o governo sírio.

No sábado ele chegou a colocar seu cargo à disposição, mas foi mantido pelo presidente.

Ainda neste domingo, os manifestantes tentaram invadir a sede do governo libanês. A polícia disparou gás lacrimogêneo para conter a multidão.

Muitos temem que a violência na Síria – que começou em março do ano passado, com tentativas de insurgentes de derrubar al-Assad – possa se espalhar agora para o Líbano, onde a população está dividida em relação ao conflito.

O Exército da Síria esteve presente no Líbano por 29 anos, até 2005. Além disso, historicamente o Líbano virou palco de conflitos violentos influenciados por eventos nos países ao seu redor, como Síria e Israel.

O grupo Hizbollah, aliado da Síria, condenou o atentado de sexta-feira.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.