China isenta turistas em trânsito de visto; Brasil e mais 44 países estão na lista

Atualizado em  5 de dezembro, 2012 - 14:41 (Brasília) 16:41 GMT

O governo chinês anunciou a isenção de visto de entrada para turistas em trânsito que desejem ficar no país por um período máximo de 72 horas.

O Brasil está entre os 45 países que integram a lista. A facilidade, no entanto, só vale para a cidade de Pequim.

De acordo com as autoridades chinesas, o objetivo da medida é estimular o turismo, e a lista foi compilada levando em consideração os países que mais enviaram turistas à China entre 2009 e 2011.

A particularidade é que a regra só vale para os estrangeiros que entrarem no país pelo Aeroporto Internacional de Pequim, que não estarão autorizados a deixar a capital dentro dos três dias do beenfício.

O número atual de turistas que vêm à Pequim anualmente, é de 5 milhões, e com a nova isenção de vistos para estrangeiros em trânsito a expectativa do governo é que o número dobre.

"Uma política de relaxamento de vistos é prática comum para aumentar o fluxo de turistas", disse Wang Yue, vice-diretor da Comissão Municipal de Desenvolvimento do Turismo de Pequim.

"Em média, visitantes estrangeiros sempre ficam em Pequim por três dias e quatro noites, e seus gastos pessoas giram em torno de U$ 1.000, duas vezes mais do que os visitantes domésticos", diz Wang.

Xu Jianqiang, economista-chefe da Air China, companhia aérea estatal do país, diz que Tóquio e Seul ainda são os dois principais locais de escalas para estrangeiros na Ásia, mas que cada vez mais visitantes devem fazer turismo e participar de eventos de negócios em Pequim.

Para isso, espera-se que companhias aéreas internacionais aumentem o número de escalas de seus voos em Pequim, fazendo com que a cidade aumente sua capacidade de hub de transferência.

A capital chinesa deve criar produtos turísticos específicos tendo como alvo os visitantes que devem ficar dois ou três dias na cidade, incluindo novos free shops no aeroporto internacional.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.