Renan Calheiros é eleito presidente do Senado em meio a denúncias

Atualizado em  1 de fevereiro, 2013 - 15:28 (Brasília) 17:28 GMT

Como esperado, o Senado elegeu nesta sexta-feira Renan Calheiros (PMDB-AL) para a presidência da Casa, com apoio do Palácio do Planalto, apesar das denúncias que recaem sobre o senador.

Também nesta sexta, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, confirmou que Calheiros é acusado de ter praticado três crimes: peculato, falsidade ideológica e utilização de documento falso, informa a Agência Brasil.

O documento com as denúncias foi apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na semana passada.

Segundo Gurgel, os delitos foram cometidos quando Calheiros usou a verba de representação de seu gabinete para fins não previstos em lei. "Ele comprovou isso com notas frias. O serviço, na verdade, não foi prestado, por isso caracteriza peculato", afirmou o procurador.

Calheiros, que já fora reeleito presidente do Senado em 2007, foi acusado na época de ter suas despesas pagas pelo lobista de uma empreiteira. Deixou a presidência da Casa, mas foi absolvido.

Nesta sexta-feira, ele recebeu 56 votos de seus colegas, contra 18 votos dados a Pedro Taques (PDT-MT) e 4 brancos e nulos.

Em discurso antes da votação, Calheiros defendeu "a modernização da legislação brasileira", disse que sua gestão almeja a "transparência ampla" e afirmou que "a ética é o compromisso de todos nós (no Senado)".

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.