Júri absolve acusado de mandar matar casal de extrativistas e condena pistoleiros

Image caption José Claudio e Maria eram ativistas conhecidos por denunciarem a ação ilegal de grileiros

Após dois dias de discussões, um júri em Marabá (PA) absolveu o agricultor José Rodrigues Moreira, que era acusado de ser o mentor do assassinato do casal de extrativistas José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo.

Já os dois réus acusados de serem os pistoleiros do crime foram condenados. Alberto Lopes do Nascimento foi considerado culpado de duplo homicídio triplamente qualificado e sentenciado a 45 anos de prisão.

Lindonjonson Silva Rocha foi condenado por homicídio duplamente qualificado e sentenciado a 42 anos e 8 meses de prisão.

José Claudio e Maria eram ativistas conhecidos na região por denunciarem a ação ilegal de madeireiros e de grileiros na região.

Eles foram mortos a tiros em 24 de maio de 2011, na cidade de Nova Ipixuna, no sudeste do Pará, quando viajam por uma estrada que levava ao projeto assentamento agroextrativista Praialta-Piranheira, onde viviam.

A promotoria acusava Moreira, absolvido nesta quinta-feira, de ter encomendado a morte do casal para poder ocupar um lote de terra que teria sido comprado ilegalmente, justamente no assentamento Praialta-Piranheira.

Com a venda, as famílias que viviam nesse lote seriam expulsas do local. José Cláudio e Maria teriam sido mortos, segundo os promotores, justamente por defenderem e apoiarem estas famílias, impedindo que o negócio fosse efetivado.