Cepal reduz previsão de crescimento para América Latina e Caribe

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) reduziu nesta terça-feira a previsão de crescimento para a região de 3,8% para 3,5% em 2013.

A última estimativa havia sido divulgada em dezembro de 2012. Segundo a entidade, a expansão deste ano será impulsionada pelo crescimento da demanda interna e pelo melhor desempenho da Argentina e do Brasil na comparação com o ano passado.

De acordo com a Cepal, a Argentina crescerá 3,5% e o Brasil, 3%, este último em linha com as previsões recentemente divulgadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), mas abaixo das do governo, que estima expansão de 3,55 neste ano.

Na avaliação do órgão, o crescimento da região também será respaldada pela "persistência do crescimento do consumo como consequência de melhores indicadores do mercado de trabalho e do aumento do crédito bancário ao setor privado e, em menor extensão, do investimento".

A comissão também credita parte da expansão deste ano à "permanência dos preços das matérias-primas", que, apesar de registrarem queda em relação a 2012, "devem se manter a níveis elevados".

Segundo a Cepal, o Paraguai liderará o crescimento da região em 2013 (+10%), seguido pelo Panamá (8,0%), Peru (6,0%) e Haiti (6,0%). Já Bolívia, Chile e Nicarágua crescerão 5,0%, enquanto a Colômbia, 4,5%, e o Uruguai, 3,8%.