Obama adverte que uso de arma química na Síria seria um 'divisor de águas'

O presidente dos EUA, Barack Obama, prometeu nesta sexta-feira uma "rigorosa investigação" das suspeitas de que o regime sírio estaria usando armas químicas contra rebeldes.

Em encontro com o rei Abdullah, da Jordânia, Obama repetiu que provas do uso de armas químicas por Damasco seria um "divisor de águas" - ou seja, poderia mudar a atual posição americana em relação à Síria, abrindo a possibilidade para uma intervenção.

Mas Obama ressaltou que ainda são preliminares os relatos de inteligência indicando que Damasco teria usado o gás tóxico sarin contra seus inimigos.

Mais cedo, o premiê britânico, David Cameron, disse que há crescentes evidências de uso de armas químicas, o que constituiria um crime de greve. A Síria, por sua vez, nega.