O que a rainha Elizabeth 2ª carrega na bolsa?

A rainha Elizabeth 2ª e o príncipe Phillip Direito de imagem Max Mumby/Indigo
Image caption Bolsa da soberana também é usada para emitir mensagens a assistentes

A rainha Elizabeth 2ª nunca cedeu à pressão da moda.

Sua filosofia pode ser resumida por uma frase de Norman Hartnell, estilista real que em 1953 disse ao jornal The New York Times: "A rainha não se preocupa em estabelecer tendências. Isso fica para quem tem menos trabalho para fazer".

A soberana, em outras palavras, está acima da moda. Seu estilo tem origem no começo de seu reinado, há mais de 60 anos, e ela se recusou a abandoná-lo.

Ele é intimamente ligado à sua identidade, e embora pareça "sem esforço", manda mensagens sutis - autoridade, tato e diplomacia, por exemplo.

E, quando a ocasião exige, elegância e opulência...

Direito de imagem Hulton Archive
Image caption Em sua coroação, a rainha esbanjou pujança

Mas foi surpreendente ver a rainha aparecer de lenço na cabeça para receber Barack e Michelle Obama em uma visita ao Castelo de Balmoral, em abril. Ela e o marido, o Duque de Edimburgo, determinaram o tom informal, amigável e familiar.

O lenço é uma marca registrada da Casa de Windsor desde os anos 40, quando a então princesa Elizabeth foi fotografada com sua irmã Margaret em um evento de hipismo, ambas com exemplares floridos na cabeça.

O visual foi adotado por celebridades como a atriz Audrey Hepburn e a ex-primeira-dama americana Jackie Kennedy.

Direito de imagem WPA Pool
Image caption Elizabeth usa lenços floridos na cabeça há décadas

Em Balmoral, a rainha se afasta ainda mais da formalidade.

Desde os anos 50 ela usa a mesma combinação de jaqueta de tweed e uma saia com a estampa escocesa tipo tartan. O padrão cinza, preto e vermelho é personalizado e foi criado pela rainha Vitória e o príncipe Albert quando eles adquiriram o castelo, no século 19.

Elizabeth 2ª manda uma mensagem ao usar a mesma roupa: diferentemente de outros círculos aristocráticos, ela não é chegada a uma ostentação constante.

"A rainha está sempre apropriada. O apelo vem do componente inglês nisso, uma elegância clássica e atemporal", afirma Caroline de Guitaut, curadora de uma exibição sobre o estilo da rainha - e que aborda os 90 anos de vida dela.

Elizabeth é uma das mais fotografadas e filmadas mulheres da história e a monarca com mais tempo de trono na história do Reino Unido.

E isso a tornou um ponto focal para a comunicação em massa, das fotos a cores ao advento da internet. Quando subiu ao trono, em 1953, a rainha tinha apenas 25 anos. Era jovem e glamourosa, sobretudo nas imagens de sua coroação.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Estampa da saia segue tradição iniciada no reinado de Vitória

Para um país emergindo da austeridade da Segunda Guerra Mundial, a jovem Elizabeth 2ª representava esperança e modernidade. E ela foi ajudada pelo fato de que o início de seu reinado coincidiu com o apogeu da alta costura britânica.

Pode não ter lançado moda, mas foi certamente imitada. De acordo com de Guitaut, a rainha foi até experimental e ousada em alguns chapéus usados nos anos 50 e 60.

O lado subliminar do vestuário diplomático da rainha também foi trabalhado. Em suas viagens internacionais, cada traje tem um bordado sutil ou mesmo um padrão de cor destinado a cumprimentar o anfitrião.

Em uma visita à Austrália, ela usou um vestido com o vime, a flor-símbolo do país, por exemplo. Nas sete vezes em que esteve no Vaticano, sempre usou preto e um véu.

Nos dias de hoje, o guarda-roupa real é criado por Angela Kelley, e os modelos de vestidos e chapéus de cores coordenadas que a rainha usa em suas aparições públicas se tornaram sua marca registrada. Um estilo instantaneamente reconhecido.

Há regras básicas.

O salto de 5 cm, a saia mais comprida que o joelho e a barra com pesos para evitar constrangimentos em dias de vento. Os chapéus são altos, mas não muito largos, e as cores são ousadas (verde-limão ou coral, por exemplo).

E tudo funciona, ao ponto do estilo de Elizabeth 2ª ter se transformado em um paradigma de vestuário empoderado feminino, devidamente copiada por líderes como Margaret Thatcher, Angela Merkel e Hillary Clinton.

Direito de imagem Max Mumby/Indigo
Image caption Cada traje conta um bordado sutil ou mesmo um padrão de cor, destinado a cumprimentar o anfitrião

O look envia uma mensagem de poder e estatura.

Igualmente icônico, porém, é o arsenal de bolsas da rainha. Talvez o mais familiar item de seu guarda-roupa.

As bolsas são criadas pela grife britânica Launer, e supostamente a rainha tem nada menos que 200 delas, todas com alças alongas para ajudar na hora de apertos de mão e afins.

Há muito tempo especula-se sobre o que a rainha carrega na bolsa. Especialistas em assuntos reais dizem que há sempre um espelho, batom e uma nota de 5 libras esterlinas para dar de esmola na missa dominical anglicana.

Outros dizem que Elizabeth carrega ainda um celular para ligar para os netos.

Mais interessante que o conteúdo, porém, é o uso das bolsas pela rainha para "falar" com seus assistentes: Se ela coloca o acessório sobre a mesa durante um jantar, por exemplo, isso é um aviso discreto de que a soberana gostaria de ver o fim do evento.

Em uma recente foto de família, uma bisneta segura a bolsa como um troféu.

Mas a rainha também sabe trabalhar o lado pujante. Seus mantos, capas e tiaras são uma senhora combinação, até porque joias não faltam na coleção real.

E o fato de que esse look é popular no mundo da moda em 2016 - com estilistas como Saint Laurent, Gucci e Valentino incorporando tons monárquicos a suas coleções de primavera-verão - sugere que, mesmo aos 90 anos, a mensagem passada pela soberana por meio de sua alfaiataria ainda tem sua mágica.

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) site BBC Culture

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas