Por que 4 milhões de muçulmanos correm o risco de perder a cidadania na Índia
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Por que 4 milhões de muçulmanos correm o risco de perder a cidadania na Índia

Quatro milhões de pessoas que consideram a Índia seu lar agora temem perder sua cidadania, suas terras, o direito a voto e sua liberdade.

São muçulmanos de origem bengali que vivem em uma comunidade no Estado de Assam, no nordeste do país.

“Esse é o nosso país. Crescemos aqui, estudamos aqui, casamos aqui. Temos terras aqui. Como assim não somos indianos?”, protesta a professora Hasitun Nissa.

Autoridades dizem que há colonos de Bangladesh morando ilegalmente entre os bengalis de Assam.

Milhões de pessoas buscaram refúgio na Índia com a guerra de nove meses gerada pela independência de Bangladesh do Paquistão.

Mas um acordo assinado pelo governo indiano em 1985 prevê que só serão considerados em situação legal aqueles cujas famílias chegaram ao país antes de 24 de março de 1971, um dia antes do processo separatista ter início.

O governo estima que cerca de 5 milhões cruzaram a fronteira irregularmente. Por isso, 32 milhões de habitantes de Assam agora têm de apresentar documentos para atestar que estão em situação legal.

“Todos terão o direito de provar que são cidadãos indianos. Mas, se não conseguirem, medidas legais serão tomadas”, diz o ministro da Justiça de Assam, Siddhartha Bhattacharya.

O problema é que, em muitos casos, os registros legais para essa comprovação desapareceram ou são imprecisos.

Ativistas afirmam que isso é uma tentativa de expulsar um grande número de muçulmanos do país.

Eles alegam que o partido do governo, o BJP, pressiona os muçulmanos para conquistar mais apoio entre os hindus, que são 80% da população.

Por sua vez, o governo afirma que ninguém será deportado imediatamente e que o processo está sendo supervisionado por um órgão independente, a Suprema Corte.

Tópicos relacionados