Como o ménage à trois influenciou a arte

A obra 'Les Deux Amies', de Tamara de Lempicka Direito de imagem John Phillips/Getty Images
Image caption A obra 'Les Deux Amies', de Tamara de Lempicka, está em 'Casais Modernos' no Barbican, em Londres; exposição mostra como artistas do século 20 misturavam trabalho, amor e sexo

Brangelina, Kimye, Hiddleswift... você pode ser desculpado por achar que juntar o nome de casais célebres era uma invenção do século 21.

Mas os casais criativos de hoje em dia certamente não têm nada a ver, por exemplo, com o encantador "PaJaMa": a junção de Paul Cadmas, Jared French e Margaret French, para refletir a interdependência de seu relacionamento e da prática artística.

A partir de 1937, eles viveram como um trio poliamoroso por 20 anos.

PaJaMa é uma das histórias fascinantes e menos conhecidas de Modern Couples (Casais Modernos), uma exposição que está em cartaz até 27 de janeiro no centro cultural Barbican, em Londres.

Uma colaboração com o centro Pompidou-Metz na França, a exposição refuta a ideia da criação individual, normalmente associada a homens chamados de gênios.

Ao contrário, traça um panorama das parcerias criativas da primeira metade do século 20 para explorar sua natureza simbiótica.

Com mais de 40 casais selecionados de uma lista inicial de 200 (estão lá Frida Kahlo e Diego Rivera, Pablo Picasso e Dora Maar, Camille Claudel e Rodin, entre outros), a mostra dá uma visão abrangente de como os experimentos artísticos e literários de vanguarda foram frequentemente acompanhados por experiências amorosas e de vida.

Mas, embora fale em casais modernos, a exposição tem entre seus destaques mostrar o quão fluidas, porosas ou elásticas foram essas relações. Na verdade, muitas vezes não estamos falando de casais – mas de "trisais". Dois é uma sociedade, três é uma experiência...

Direito de imagem Getty Images
Image caption Lilya Brik (à esq.) e o marido, o editor russo Ossip, se apaixonaram ao mesmo tempo pelo poeta Vladimir Maiakóvski (à dir.): eles formaram um 'trisal' por 15 anos

"'Casal é um termo elástico'", sugere a curadora Jane Alison. "E, claro, relacionamentos de três vias não são fáceis e representam um número (significativo) nesta exposição."

Alguns formam um ménage à trois alegre; outros, um pesado.

Parte chega a acordos tranquilos dentro dos casamentos existentes, enquanto outros defendem um relacionamento aberto como um ato político radical.

Parece que estamos em uma era que recentemente passou a questionar as estruturas de relacionamento convencionais, com uma mentalidade mais aberta em relação às alternativas. Ou que é mais intrometida, pelo menos: não se passa um dia sem um novo artigo sobre poliamor, ou sobre a ética da não-monogamia e a anarquia de relacionamentos.

A linguagem e a terminologia podem ser diferentes, mas muitas das ideias são as mesmas que foram enfrentadas - na prática, romanticamente, criativamente - pela vanguarda do século 20.

Três não é demais

De volta ao 'trisal' PaJaMa, que se encontrou em Nova York, na Liga dos Estudantes de Artes.

Paul Cadmus, que pintou cenas estilizadas, musculosas, às vezes homoeróticas, e Jared French, também um pintor figurativo no campo que foi apelidado de "realismo mágico", se tornaram amantes.

Direito de imagem George Platt Lynes/Museu Solomon Guggenheim
Image caption O trabalho moderno e homoerótico de George Platt Lynes o transformou em um artista cultuado

Jared casou-se com Margaret em 1937 - e assim começou uma nova relação fluida e trilateral que também encontrou expressão em fotografias feitas em conjunto.

O trabalho deles é associado à Fire Island, que fica ao sul de Long Island, em Nova York, e que já era um enclave gay em meados da década de 1930.

As fotografias do trio às vezes são surrealmente lúdicas, geralmente temperamentais, e sempre elegantemente equilibradas. Corpos longos e ágeis cobrem as dunas de areia ou definham nas águas rasas.

Eles filmaram um ao outro e a seus amigos - mas essas fotografias cuidadosamente compostas eram um projeto privado, compartilhado apenas no círculo deles, até serem descobertas na década de 1980.

"A arte era o lugar onde você podia experimentar", diz Alison. "Eles eram discretos publicamente, mas puderam apreciar em suas obras esse espaço liberado."

Todas as imagens são creditadas aos três apenas como PaJaMa: um ato de nomear que é obviamente lúdico, mas que também corajosamente celebra essa união erótica e artística.

PaJaMa fotografou e surgiu em fotografias de outro trio apresentado na exposição Modern Couples: George Platt Lynes, Glenway Wescott e Monroe Wheeler.

Lynes era quem estava atrás da lentes. Como acontece com PaJaMa, há elegância em suas fotografias em preto e branco performaticamente homoeróticas, mas algo da franqueza de seus retratos também é notavelmente moderno.

Não é surpresa que ele tenha um culto de seguidores e inspirado Robert Mapplethorpe.

Direito de imagem Coleção Jack Shear/Divulgação
Image caption Foto do trio Paul Cadmas, Jared French e Margaret French, que assinava seus trabalhos de maneira coletiva como PaJaMa

Wheeler, diretor de publicações do MoMa (Museu de Arte Moderna de Nova York), já estava em um relacionamento com Wescott, um romancista de sucesso, quando Lynes entrou em cena na década de 1920.

Este ménage à trois não existiu sem tensão: Lynes substituiria Wescott não apenas na cama de Wheeler mas também na relação afetiva.

Wescott também se sentiu atraído por Lynes, mas não foi correspondido.

Uma parte de seu diário de 1937, reimpresso no catálogo da exposição, transmite seu "desejo mordaz" pelo amante de seu amante, entrando em detalhes bastante extensos sobre o pênis de Lynes.

Seria saudável ou esquisito da parte de Wheeler encorajar Wescott a explorar tudo isso em seus escritos? Os leitores se beneficiaram, pelo menos: "Wescott escreveu este livro incrível, The Pilgrim Hawk (O Falcão Peregrino), que lida com sua frustração sexual - Monroe Wheeler o encorajou a fazer de suas próprias experiências o tema de seu trabalho", explica Alison.

Em 1943, após 17 anos, Lynes saiu do relacionamento - mas Westcott e Wheeler resistiram, passando um total de 68 anos não-monogâmicos juntos.

Amor livre

Em outros lugares, ter um relacionamento aberto era um ato político.

Na Rússia, a revolução se estendeu ao casamento: a necessidade de liberdade sexual e a liberação de mulheres faziam parte de algumas teorias marxistas. Entre os artistas de vanguarda, o casamento monogâmico era considerado bastante burguês.

Direito de imagem Coleção Jack Shear/Galeria Gitterman Nova York
Image caption Além de trabalharem juntos, o trio PaJaMa também mantinha um relacionamento sexual e afetivo

Então, quando Ossip e Lilya Brik viram Vladimir Maiakóvski lendo um poema em uma festa em 1915, ambos "apaixonaram-se perdidamente por ele" e não foi um desastre, de acordo com Emma Lavigne, diretora do Pompidou-Metz.

De fato, quando Ossip descobriu que Lilya havia dormido com Maiakóvski, ele teria respondido: "Como você pode recusar qualquer coisa a esse homem?" Escritor e editor, Ossip continuaria a defender o trabalho do jovem poeta.

Maiakóvski acabou indo morar com eles. O ménage à trois era público e durou 15 anos - até o suicídio de Maiakóvski, em 1930, com apenas 36 anos (Lilya se divorciou de Ossip no mesmo ano).

Embora o relacionamento dos três tenha sido duradouro, também era tempestuoso. Todos tinham outros amantes, e o ciúme era um problema para o melodramático Maiakóvski, pelo menos.

Muitos de seus poemas eram sobre ou dedicados a Lilya, mas vários mostram sua tensão. "O que eu sou senão/ um aleijado / infectado / com amor / Uma espécie de / vaso vazio / você pode encher / com sua merda" (tradução livre do inglês), ele escreveu em Pro Eto (Sobre Isto).

Charleston, a fazenda do amor

O amor moderno era um pouco mais comportado, talvez, na Bloomsbury Square, em Londres, de onde surgiria o grupo artístico Bloomsbury - mas as relações criativas e românticas interligadas dos abastados dali não eram menos radicais.

As irmãs Vanessa Bell e Virginia Woolf moldaram suas vidas amorosas em novas formas - como fizeram com a pintura e a literatura.

Vanessa Bell se casou com o escritor de arte Clive Bell em 1907 e eles tiveram dois filhos. E, apesar de seu casamento fracassar e ambos terem outros relacionamentos, eles nunca se divorciaram e permaneceram um na vida do outro. Clive organizou duas exposições influentes do pós-impressionismo com o historiador de arte Roger Fry, que - ao mesmo tempo - estava tendo um caso com Vanessa.

Fry, Vanessa e o pintor Duncan Grant formaram a oficina Omega em 1913, fazendo móveis, tecidos e cerâmicas em cores e padrões brilhantes e arrojados do movimento de pintura fauvista, que tinha características expressionistas.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A exposição também mostra como foi o envolvimento da escritora Virginia Woolf (foto), que era casada com Leonard Woolf, com a também autora e paisagista Vita Sackville-West

A afeição de Vanessa depois se voltou para Grant, e juntos eles se mudaram para Charleston, uma fazenda em Sussex que eles transformaram em obra viva, pintando todas as superfícies disponíveis. A colaboração artística da dupla foi duradoura, mesmo que sua união sexual fosse mais fugaz: Grant, embora fosse pai de uma criança com Bell, geralmente preferia homens. Seu amante, David 'Bunny' Garnett, juntou-se a eles para morar em Charleston.

A fazenda foi um centro para o grupo Bloomsbury ao longo dos anos. Fry projetou um espaço de estúdio lá; outro dos amantes de Grant, o economista John Maynard Keynes, viveu ali por um tempo, e Clive Bell tinha seu próprio quarto.

Como ter filhos ilegítimos ainda era um escândalo, Clive assumiu a paternidade de Angelica, filha de Vanessa com Grant, quando ela nasceu em 1918. Anos mais tarde, Angelica se apaixonaria por Bunny Garnett, sem saber que ele tinha sido ex-amante de seu pai.

Mesmo sendo um experimento de vida, Charleston não passou incólume às dificuldades - mas era um local de enorme criatividade e, na maioria das vezes, um lar muito feliz.

"Parece-me que a única vida familiar realmente bem-sucedida que eu já vi", escreveu Fry para Vanessa em 1926, "deve ser conhecida por todas aquelas pessoas boas que acham que a vida familiar depende da santidade do casamento".

Direito de imagem Galeria Swindon Art
Image caption Tela de Vanessa Bell; a pintora que integrou o grupo de arte Bloomsbury, no qual era comum misturar trabalho e relacionamentos, viveu um triângulo amoroso com o historiador Roger Fry e com o pintor Duncan Grant

Os Woolfs

Outro casal não-convencional, Virginia e seu marido Leonard eram visitantes frequentes de Charleston.

Seu apoio foi importante em termos criativos: Leonard ajudou Virginia a lidar com o difícil nascimento de cada novo livro, com seus problemas de saúde mental aumentando à medida que se aproximavam da publicação.

A dupla também montou a Hogarth Press em 1917; Virginia definiu a tipografia, enquanto Leonard gerenciava as tintas e a impressão. Não foi apenas um lar para o trabalho da Virginia mas também para a sua escrita, entre outros textos seminais: eles publicaram Freud, e A Terra Inútil, de TS Eliot.

O casamento deles era amoroso e afetuoso - embora não tenha sido um "sucesso" no quarto. Virginia lutava contra a intimidade sexual porque havia sido abusada por seus meio-irmãos quando criança.

E também foi um relacionamento aberto: Virginia teve um envolvimento breve, mas significativo, com a escritora e paisagista Vita Sackville-West, que Leonard conhecia e tolerava.

Embora haja especulações sobre a natureza exata do relacionamento das mulheres, parece provável que tenha sido sexual e certamente romântico. A dupla escreveu cartas provocativas e ansiosas. "Estou reduzida a uma coisa que quer Virginia", escreveu Sackville-West em 1926.

Virginia, por sua vez, imortalizou Sackville-West em 1928, em seu fantástico romance Orlando, sobre um jovem poeta que vive três séculos e se transforma em uma mulher ao longo do tempo.

Ele se passava em uma casa de campo baseada no castelo Knole, da família Sackville-West, e apresentava ilustrações dela e de seus ancestrais - tudo pouco sutil e ainda assim sua bissexualidade não foi descoberta na época.

Com sua fluidez de gênero e origens lésbicas, Orlando se tornou um icônico texto queer, visto como o fruto de um casal muito moderno. Ou deveria ser um trio muito moderno?

  • Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Culture.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas