O que podemos aprender com o inemuri, o costume japonês de dormir em qualquer lugar

Japao Direito de imagem Adrian Storey
Image caption Mulheres, homens e crianças no Japão aparentemente não se inibem em cair no sono quando e onde têm vontade

Os japoneses não dormem. Isso é o que muitos - especialmente os japoneses - dizem.

Não é verdade, claro. Mas é algo bem interessante como declaração cultural e sociológica.

Conheci essa atitude intrigante durante minha primeira estada no Japão, no final da década de 1980. Naquele momento o país vivia a chamada bolha econômica, e estava no auge da especulação financeira e imobiliária.

A vida cotidiana era agitada. As pessoas enchiam suas agendas com encontros de trabalho e lazer e quase não tinham tempo para dormir.

Um slogan popular de propaganda resumia aquele estilo de vida, ao exaltar os benefícios de uma bebida energética: "Você consegue lutar por 24 horas? Homem de negócios! Homem de negócios! Homem de negócios japonês!"

Muitos reclamavam: "Nós, japoneses, somos loucos por trabalhar tanto!". Mas essas queixas revelavam certo senso de orgulho de ser mais aplicado e moralmente superior ao resto da humanidade.

Mas, ao mesmo tempo, eu notava inúmeras pessoas dormindo no metrô durante minhas viagens diárias. Alguns até dormiam de pé, e ninguém parecia se surpreender com isso.

Direito de imagem Adrian Storey
Image caption Sociedade japonesa tende a ser mais tolerante ao ato de dormir em público

Aquela atitude me pareceu contraditória. A imagem positiva da abelha operária, que reduz o sono ao mínimo à noite e evita dormir até mais tarde pela manhã, parecia ser acompanhada por uma tolerância excessiva ao chamado "inemuri" - sonecas durante o transporte público, reuniões, aulas e afins.

Mulheres, homens e crianças aparentemente não se inibiam em cair no sono quando e onde tivessem vontade.

Se dormir numa cama ou num futon era visto como sinal de preguiça, porque então dormir no trabalho ou durante um evento não era uma expressão ainda maior de indolência?

Essas impressões e aparentes contradições motivaram meu maior envolvimento com o tema do sono, anos depois, em meu projeto de doutorado.

Sono e significado

No começo, tive que lutar contra o preconceito, porque pessoas relutavam em considerar o sono um assunto sério para pesquisa acadêmica.

Ele pode ser confrontado com diferentes significados e ideologias; analisar arranjos de sono e o discurso sobre eles revela atitudes e valores conectados aos contextos em que o sono é organizado e discutido.

Na minha experiência, são esses eventos cotidianos aparentemente naturais, sobre os quais as pessoas geralmente não refletem, que revelam estruturas essenciais e valores de uma sociedade.

Direito de imagem Adrian Storey
Image caption Tendemos a assumir que o sono tradicionalmente se dá entre o nascer e o pôr do Sol, mas os ritmos do cotidiano são mais complexos

Sono nunca foi um assunto simples, no Japão ou em qualquer lugar. Mesmo antes da invenção da luz elétrica, evidências históricas mostram que pessoas eram repreendidas por ficar de pé até tarde para conversar, beber e fazer outras atividades de lazer.

Contudo, estudantes - sobretudo jovens samurais - se consideravam virtuosos se interrompessem seu sono para estudar, mesmo se a prática não fosse eficiente, pois demandava óleo para lampiões e acabava sempre em sonecas durante as aulas.

História do sono

Sonecas quase não são discutidas em livros de história e parecem ter sido amplamente tomadas como algo natural. Cair no sono em público só é algo digno de menção quando é fonte para uma piada.

O ato de levantar cedo, por outro lado, tem sido claramente promovido como uma virtude, desde a introdução do Confucionismo e do Budismo.

Na Antiguidade, fontes mostram uma preocupação especial com a escala de trabalho dos servidores, mas da Idade Média em diante acordar cedo passou a ser uma prática aplicada a todos os estratos sociais, e o "ir para a cama tarde e acordar cedo" se tornou sinônimo de pessoa virtuosa.

Outra questão interessante é o ato de dormir com alguém. Há países em que é recomendado aos pais que bebês durmam em quarto separado para aprenderem a ser independentes, estabelecendo assim um horário regular de sono.

Direito de imagem Adrian Storey
Image caption O hábito do "inemuri" é considerado bem diferente do ato de dormir à noite, ou mesmo de uma soneca após o almoço

No Japão, pelo contrário, pais e médicos afirmam que bebês devem dormir com os pais até, pelo menos, a idade escolar, como meio de tranquilizá-los e ajudá-los a se tornarem adultos independentes e socialmente estáveis.

Talvez essa norma cultural ajude os japoneses a dormir na presença dos outros, inclusive quando adultos.

Esse fenômeno foi observado na primavera de 2011, após o tsunami que destruiu várias cidades costeiras. Sobreviventes tiveram que ficar em refúgios, onde dezenas e até centenas de pessoas compartilhavam o mesmo espaço de vida e de sono.

Apesar de diversos conflitos e problemas, sobreviventes descreveram como o ato de dividir um espaço comunitário para dormir proporcionou certo conforto e ajudou a relaxar e recuperar o ritmo do sono.

Não é sesta

Mas a experiência de dormir na presença de outros não e suficiente, por si só, para explicar a tolerância generalizada ao inemuri, sobretudo na escola e no trabalho.

Após anos de pesquisa, finalmente me dei conta de que até certo ponto o inemuri não é considerado como sono absoluto. Não só é visto como diferente do ato noturno de dormir na cama como algo distinto de tirar uma sesta, uma soneca. Como entender isso?

A chave está no próprio termo, formado por dois caracteres. "I", que significa "estar presente", em uma situação em que se está alerta, desperto; e "nemuri", que significa" sono".

Apesar de a pessoa que faz inemuri poder estar mentalmente distante, ela tem que ser capaz de voltar à situação social quando necessário. Também deve manter a impressão de seguir condutas sociais por meio da postura, linguagem corporal e vestuário.

Direito de imagem Adrian Storey
Image caption Cumprir longas jornadas de trabalho e se dedicar ao máximo é apreciado como traço moral positivo no Japão

Sinal de trabalho duro

Fazer inemuri no local de trabalho também é visto como resultado de esgotamento. Pode ser algo justificado por reuniões longas e tediosas, onde o esforço de participar é mais valorizado do que o resultado.

Como uma vez alguém me disse: "Nós, japoneses, temos o espírito olímpico: a participação é o que vale".

Cumprir longas jornadas de trabalho e se dedicar ao máximo a ele é apreciado como um traço moral positivo no Japão.

Alguém que se esforça para participar de uma reunião mesmo estando esgotado ou doente demonstra um sentido de responsabilidade e vontade de enfrentar sacrifícios.

Por outro lado, a modéstia também é uma virtude muito valorizada.

Portanto, não é possível abrir mão do esforço. Isso cria a necessidade de métodos sutis para alcançar reconhecimento social.

Como o cansaço e a doença costumam ser vistos como frutos de esforços no trabalho, o inemuri - ou até simular o inemuri fechando os olhos - é visto como sinal de uma pessoa esteve trabalhando duro, mas ainda tem a força e a virtude moral para manter a si mesmo e seus sentimentos sob controle.

Portanto, o costume japonês do inemuri não necessariamente revela uma tendência à preguiça.

Pelo contrário: é uma característica informal da vida social japonesa destinada a garantir o exercício de suas funções regulares, oferecendo uma forma de estar temporariamente afastado e ainda assim dentro dessas funções.

E que fique claro: os japoneses não dormem. Eles não tiram sonecas. Fazem inemuri. Não poderia ser mais diferente.

Leia a reportagem original em inglês no site BBC Future.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados