O minucioso trabalho arqueológico que montou o quebra-cabeça da 'música mais antiga do mundo'

Homem toca instrumento musical
Image caption Ao longo do tempo, uma grande variedade de instrumentos musicais foi produzida na região em que hoje é a Síria | Foto: Leila Molana-Allen

Na Síria, a música toca mais fundo do que em qualquer outro lugar do mundo.

Muito antes de o Estado moderno ser formado, em 1946, o país já tinha uma tradição musical milenar valiosa. As diversas religiões, seitas e etnias que habitaram e transitaram pela região ao longo dos séculos - muçulmanos, cristãos, judeus, árabes, assírios, armênios e curdos, para citar apenas algumas - contribuíram para essa herança cultural tão eclética.

Canções da antiga Síria

Na década de 1950, arqueólogos encontraram 29 tabuletas de argila de 3,4 mil anos na antiga cidade portuária de Ugarit, na costa mediterrânea da Síria. Quase todas estavam quebradas em pequenos fragmentos, mas uma delas, que ficou conhecida como H6, estava partida em pedaços maiores. Havia letras inscritas nas placas e, embaixo delas, o que os pesquisadores acreditam ser o primeiro registro de uma partitura musical do mundo.

Esses fragmentos de argila são o início de um legado musical sem igual.

Acadêmicos passaram anos literalmente reconstruindo as tabuletas, na tentativa de desvendar não só o que estava escrito, mas a melodia que a peça musical teria se fosse tocada novamente. Os registros foram feitos em escrita cuneiforme, um dos mais antigos do mundo, que se espalhou pela região há milênios.

"O problema dessa tabuleta é que conseguíamos ler o texto porque foi escrito em cuneiforme babilônico, e nós sabemos o valor dos sinais, mas não tínhamos ideia do que significava", disse Richard Dumbrill, professor de Arqueomusicologia na Universidade da Babilônia, no Iraque, que estuda as tabuletas de Ugarit há mais de duas décadas.

Ele contou como, em diversas ocasiões, se empenhou para reconstituir os fragmentos de argila, no intuito de traduzir o texto e a música inscritos neles:

"Eu tirei fotos e tentei montá-los como um quebra-cabeça, mas algumas peças foram danificadas sem margem para reconstrução".

Image caption Inscrição em tabuleta de 3,4 mil anos, encontrada na Síria, é a peça musical mais antiga do mundo | Foto: Leila Molana-Allen

As dificuldades de tradução se deviam ao fato de os registros terem sido feitos na língua hurrita, do nordeste do Cáucaso (provavelmente na atual Armênia), mas que acabou parando nas terras férteis da Síria.

"Esse povo migrou para o noroeste da Síria - levaram alguns mil anos nesse processo - e decidiram usar os sinais da Babilônia para escrever seu texto e sua música", explica Dumbrill.

"Foi extremamente difícil de traduzir. Mas consegui descobrir que o texto abaixo das duas linhas eram representações musicais que tinham sido 'hurritanizadas' - ou seja, eram babilônicas, mas foram adaptadas a partir do convívio com o povo hurrita. E consegui descobrir que era uma melodia. Demorei cerca de 20 anos para decifrar. "

E o que a composição musical mais antiga do mundo nos diz sobre as pessoas que viviam naquela época? A partir das traduções, Dumbrill acredita que eles tinham músicas para todos os tipos de ocasiões - e não apenas para eventos religiosos.

Uma das canções fala sobre uma garçonete que vendia cerveja em um bar, mas a tabuleta conhecida como H6 revela uma história bem mais sóbria.

"É sobre uma jovem que não pode ter filhos e acha que é porque se comportou mal de alguma forma, o que não é mencionado", conta o pesquisador.

"E pelo o que podemos entender do texto, que é bastante limitado, ela sai à noite para rezar para a deusa Nikkal, que era a deusa da lua. E leva consigo uma pequena lata com sementes ou óleo de gergelim, que oferece à deusa. É tudo o que sabemos sobre o texto."

Image caption A tabuleta de argila H6 foi apenas o início do extraordinário legado musical da Síria | Foto: Leila Molana-Allen

Uma antiga oficina musical

Mas a Síria não produziu apenas a canção mais antiga. Com o tempo, uma extensa variedade de instrumentos musicais também foi criada na região. É o caso da lira, instrumento de cordas com um uma barra transversal; e do alaúde, que evoluiu para o moderno oud árabe, instrumento de cordas, em forma de gota, que produz um dos sons mais emblemáticos da região.

No século 20, pesquisadores encontraram uma série de registros de como funcionava o negócio da fabricação de instrumentos musicais da época. A descoberta se deu em Mari, cidade-Estado do início da Idade do Bronze, às margens do rio Eufrates, ao leste da atual Síria.

"Lá, no palácio [em Mari], descobrimos uma grande quantidade de tabuletas, que eram principalmente cartas e recibos de artesãos, que encomendavam couro, madeira, ouro e prata para fazer instrumentos", conta Dumbrill.

"Assim, temos uma boa ideia a respeito dos instrumentos que foram feitos há cerca de 4 mil anos. Sabemos os nomes dos artesãos, os tipos de instrumentos que eles faziam. Eles já eram influenciados por instrumentos que não eram sírios", acrescenta, citando o exemplo do parahshitum iraniano, um tipo de lira que se tornou muito popular entre as mulheres do harém de Mari.

A produção de instrumentos musicais continuou a prosperar na Síria ao longo dos séculos - e muitos encontram-se preservados atualmente em coleções abertas ao público.

Image caption O Palácio Debbané em Sídon, no Líbano, abriga uma vasta coleção de instrumentos musicais da era otomana | Foto: Leila Molana-Allen

No Palácio Debbané, na cidade costeira de Sídon, no Líbano, por exemplo, uma mostra de instrumentos musicais da era otomana, datados do século 19, dá aos visitantes um panorama das tradições sírias e libanesas antes da formação dos Estados modernos. Entre os objetos da Síria, estão o oud e o bouzouki (pequeno alaúde com braço longo e fino) feitos de madeira e marfim.

"As pessoas [visitantes] perguntam: por que existem tantos instrumentos musicais?", conta Ghassan Dimassy, um dos guias do Palácio Debbané.

"Dizemos a eles que essa é uma casa otomana e que as mulheres costumavam se sentar e cantar", acrescenta, enquanto imita as mulheres tocando instrumentos e os homens deitados, relaxando.

Naquele local, a música era o pano de fundo essencial para qualquer momento de lazer.

Música no exílio

No ano passado, as autoridades sírias lançaram uma campanha para que Aleppo, a segunda maior cidade do país, fosse incluída na Rede de Cidades Criativas da Unesco, como "Cidade da Música", para celebrar seu patrimônio. Durante o século 17, Aleppo era conhecida pelo muwashshah, tipo de música combinada com letras de poesia andaluza, em árabe clássico ou, mais tarde, em árabe coloquial sírio ou egípcio.

Os muwashshah são apresentados por uma banda que toca oud e kanun (instrumento de cordas que reproduz uma espécie de som de água pingando), assim como kamanja (espécie de violino), darbuka (tambor) e daf (pandeiro). O formato fez sucesso na cidade, onde foi abraçado por populações muçulmanas e cristãs.

Ao mesmo tempo, também estão sendo realizados esforços significativos para preservar as tradições musicais sírias fora do país, que entrou no oitavo ano de conflito - e onde grande parte da população está sendo forçada a se concentrar na sobrevivência, em vez de explorar a herança cultural nacional. Alguns jovens sírios estão aproveitando a situação difícil para chamar a atenção para a história musical do país.

Image caption A poesia da música muwashshah é frequentemente acompanhada de instrumentos como o daf (à esquerda) e o oud (à direita) | Foto: Leila Molana-Allen

Por muito tempo uma incubadora de talentos criativos, Beirute se tornou um centro de resistência para preservar o patrimônio cultural sírio.

A Me'zaf, organização fundada na capital libanesa, em 2015, tem como objetivo inovar, promover e preservar músicas autênticas, não apenas da Síria, mas da região do Levante como um todo, mostrando como as ricas tradições musicais do Oriente Médio precedem as fronteiras modernas de Estados-nação, introduzidas no século 20.

"Muitas expressões foram criadas em Damasco ou Aleppo e levadas para o Cairo. Na sequência, composições foram produzidas no Cairo e apresentadas no Levante", explica Ghassan Sahhab, que está à frente da Me'zaf, é professor de música libanesa, compositor e toca kanun.

"Temos uma cultura rica e precisamos valorizá-la para conhecer nossa história e seguir em frente. No momento, é um caso de preservação do patrimônio e da cultura."

Outro grupo musical que se formou em Beirute se chama Assa'aleek, composto por cinco sírios e um norueguês. O nome da banda significa "os maltrapilhos" ou "os vagabundos" em árabe. É uma referência a um bando que se autoproclamava uma espécie de Robin Hood, durante a era pré-islâmica, e tentava mudar os rumos da classe dominante, no Golfo Pérsico.

"Somos parecidos com os Assa'aleek: fomos expulsos de nossas comunidades e pátria por muitas razões", diz Abodi Jatal, que toca percussão na banda.

"É importante preservar a música antiga síria porque é nossa identidade, é a história da civilização, no fim das contas. É isso que temos. É isso que somos", afirma Mona Al Merstany, vocalista do Assa'aleek.

"Não se trata apenas de um país qualquer - é um dos países mais antigos do mundo. É importante mostrar isso, porque todas as pessoas têm o direito de ver a beleza", completa.

Eles veem a música como uma forma de combater as injustiças enfrentadas diariamente pelos moradores da região.

"Nossas letras e músicas são feitas com base nisso", diz Jatal.

"Queríamos lutar contra maus hábitos, como o assédio contra as mulheres, e vimos que isso é muito parecido com o que os Assa'aleek faziam. É por isso que escolhemos esse nome."

Além de músicas novas, a banda inclui em seu repertório, desde 2013, canções folclóricas da Síria, levando composições de diversas regiões do país para o público no Líbano.

O patrimônio musical nacional percorreu um longo caminho desde a melodia encontrada nas tabuletas de argila de Ugarit. Hoje, bandas como Assa'aleek estão reinventando o significado da música síria, influenciando novas audiências.

Eles estão criando as composições que os arqueólogos do futuro poderão um dia encontrar, armazenadas em computadores, arquivos ou gavetas de Aleppo, Damasco ou Beirute - quem sabe até de Paris, Londres ou Berlim.

Al Merstany resume bem:

"Quando alguém me pergunta o que é a Síria, é isso que tenho a dizer: a música, a arte."

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Travel.

Notícias relacionadas