A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Sem-terra paraguaios acusam brasileiros de 'usurpar terras'

A colheita de milho deste ano foi boa em Ñacunday, no leste do Paraguai. Mesmo assim, integrantes de um grupo sem-terra local continuam preocupados.

Image caption Famílias ocupam terra cuja posse é de um fazendeiro brasileiro

Há oito meses, cerca de 5 mil famílias de agricultores ocuparam as terras para pressionar o governo a assentá-las na região. Enquanto esperam, vivem em barracas precárias e plantam milho e verduras para subsistência.

Mas a área do acampamento é reivindicada por um proprietário de terras brasileiro, que conseguiu na Justiça o direito de reavê-la. A ordem de reintegração de posse pode ser dada a qualquer momento.

Conhecido no Paraguai como o rei da soja, o catarinense Tranquilo Favero é tido como o maior inimigo dos sem-terra de Ñacunday.

Image caption Boneco simboliza ódio de sem-terra a fazendeiro brasileiro

Federico Ayala, líder sem-terra, acusa Favero e outros brasileiros de ocupar ilegalmente as terras de Ñacunday e de ordenar a morte de cinco camponeses nos últimos três meses.

Advogados de Tranquilo Favero afirmam que as acusações são infundadas e que ele detém os títulos da terras. O proprietário espera que com a troca de governo no país o despejo das famílias ocorra o quanto antes.

Já os sem-terra reprovaram o impeachment do presidente Fernando Lugo, responsável pela implantação de uma escola no acampamento.