Encenação de homem sofrendo 'waterboarding'. Foto: BBC
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Ex-advogado da CIA justifica técnicas de interrogação polêmicas

O advogado americano que, em 2002, deu um parecer técnico positivo para as polêmicas técnicas de interrogação da agência de inteligência CIA afirma que poderia ter mudado a história e a imagem da organização perante o público, se tivesse tomado uma decisão diferente.

Image caption Técnicas aprovadas pelo corpo legal da CIA foram chamadas de tortura por muitos

Hoje aposentado, John Rizzo chefiou por sete anos a divisão de advogados responsáveis por examinar a legalidade dos métodos de interrogação.

Em março de 2002, agentes da CIA elaboraram um "programa avançado de interrogação", que previa o uso de técnicas como afogamento ("waterboarding") e privar detentos de sono.

Rizzo decidiu, em seu parecer, que as técnicas eram legais. No entanto, anos depois, quando os métodos vieram a público, foram duramente criticados.

O presidente americano, Barack Obama, chegou a se referir às técnicas como "tortura". Em sua gestão, o programa avançado de interrogação da CIA foi fechado, após anos de críticas que prejudicaram a imagem da agência.

O ex-advogado acredita que seu parecer foi correto, e que na época aqueles meios justificavam o objetivo final da agência, que era o de impedir atentados terroristas.