Helicóptero militar iraquiano disparou contra alvos dos militantes (BBC)
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Iraque contra-ataca e 'retoma cidades' tomadas por militantes

O Exército do Iraque, juntamente com milícias curdas e xiitas, está contra-atacando os insurgentes sunitas do grupo Estado Islâmico do Iraque e Levante (ou ISIS, na sigla em inglês), que haviam tomado várias cidades no país.

O Levante é um grupo militante que luta contra o governo predominantemente xiita do primeiro-ministro Nouri al-Maliki e quer o estabelecimento de um estado islâmico.

Há relatos de que as forças iraquianas conseguiram recuperar o controle sobre várias pequenas cidades que estavam sob poder dos militantes.

O Ministério da Defesa divulgou imagens de um helicóptero disparando e atingindo alvos que, supostamente, estavam sobre controle da ISIS.

Um porta-voz do Exército, o general Qasim Ata, afirmou que os militares do país conseguiram realizar operações bem-sucedidas contra os militantes em várias regiões, matando 279 deles. Mas estes números não puderam passar por uma verificação independente.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Helicóptero militar iraquiano disparou contra alvos dos militantes (BBC)

Há informações de confrontos violentos nas cidades de Tal Afar, a oeste de Mosul (norte do Iraque), e as forças do governo estariam se reunindo na cidade de Samarra, ao norte de Bagdá, preparando um contra-ataque em Tikrit. Os extremistas capturaram as cidades de Mosul e Tikrit na semana passada.

Imagens chocantes

Neste domingo, os membros do Levante publicaram na web fotos que mostrariam seu combatentes executando centenas de soldados iraquianos.

Os homens nas fotos seriam funcionários do Exército. Eles aparecem nas fotos sendo levados para longe e, em seguida, deitados em trincheiras como para mostrar o "antes e depois" da suposta execução.

O porta-voz do Exército iraquiano, general Qassim al-Moussawi, afirmou que as fotos são autênticas e mostravam eventos na província de Slahuddin.

No entanto, a veracidade das imagens não foi confirmada de forma independente.

Segundo o correspondente da BBC no norte do Iraque, Jim Muir, se as fotos forem verdadeiras, será uma das maiores atrocidades cometidas no país desde os tempos da invasão liderada pelos Estados Unidos no Iraque em 2003.