BBC
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Empresário iraquiano ajuda pais yazidis a 'comprarem' de volta filhas sequestradas pelo EI

Um empresário iraquiano cuja família foi sequestrada por militantes do grupo extremista autodenominado 'Estado Islâmico' agora ajuda a resgatar outros reféns no território da milícia.

Centenas de mulheres da etnia yazidi capturadas pelos radicais já foram libertadas graças a uma rede internacional de contrabandistas coordenada pelo empresário, que se identifica apenas como Abdullah.

Abdullah reconhece que o dinheiro que usa para libertar as famílias pode acabar nas mãos do Estado Islâmico, mas afirma que a maior parte vai mesmo para os contrabandistas.

Ele teve mais de 50 membros de sua família sequestrados pelo ‘EI’, incluindo sua sobrinha. Ele pagou quase US$ 10 mil (R$ 35 mil) para libertá-la. A jovem ficou dois meses e oito dias em poder do grupo.

“Se uma garota se recusa a obedecer as ordens do EI, é espancada com paus, estuprada e se transforma em noiva dos integrantes do grupo”, afirmou ela.

Depois de salvar a sobrinha, Abdullah começou a ajudar membros da etnia yazidi na mesma situação.

“Decidi mudar meu trabalho. Eu transportava suprimentos agrícolas e comecei a transportar homens e mulheres usando os mesmos contatos”, disse ele à BBC.

Abdullah usa uma rede internacional de contatos de contrabandistas e coordena o melhor momento para as famílias cruzarem a fronteira.

Segundo ele, o processo é muito perigoso porque no ponto de encontro o EI às vezes mata as vítimas. Alguns dos contatos do grupo também foram mortos.

Apesar dos riscos, Abdullah afirma que vai continuar a empreitada.